Como lidar com o bruxismo

 

bruxismoA vida moderna tem resultado em um número sempre crescente de pessoas ansiosas e estressadas. Mas, enquanto muitos se recuperam durante uma boa noite de sono, outros sofrem ainda mais com episódios de bruxismo – uma das disfunções da articulação temporomandibular (ATM) em que se range e aperta os dentes mesmo sem perceber, principalmente durante o sono (e que eu sofro demais). O problema já atinge uma em cada dez pessoas, está se tornando cada vez mais comum e tem afetado, inclusive, adolescentes. Até mesmo durante o dia, alguns pacientes relatam episódios em que ficam involuntariamente ‘apertando’ a mandíbula. E esse é meu caso. Por mais que eu tente, me pego fazendo o movimento sem querer.

De acordo com a cirurgiã-dentista Katia Regina Izola, os dentes se formam em três camadas principais: polpa (essa é a parte que dói, porque abriga nervos e vasos sanguíneos), dentina (camada intermediária que protege a polpa), e esmalte (camada externa e dura que reveste os dentes). Quem sofre de bruxismo – e ainda não reportou o problema para o cirurgião-dentista – está mais vulnerável a sofrer desgaste em determinados pontos do esmalte e da dentina, pondo em risco não só o sorriso, como o formato do rosto também. Dor no maxilar, dor generalizada na face, dor de cabeça, dor de ouvido, perturbações no sono, tensão e rigidez nos ombros também são sintomas comuns em quem sofre de bruxismo. Socorro!!!

“Em casos graves, o paciente pode apresentar estalos ao mexer a boca, seja para falar ou para se alimentar. Até por isso, com o tempo, a alimentação pode se tornar difícil e desencadear outros problemas de saúde”, diz Katia. Além de um tratamento ortodôntico convencional, que impedirá o contato dos dentes superiores com os inferiores durante o sono, a especialista diz que pode ser necessário fazer uso de anti-inflamatórios e ansiolíticos prescritos por determinado período, assim como atividades terapêuticas ou esportivas para aliviar o estresse.

A população feminina – com sua jornada dupla ou tripla – ainda é a mais afetada, porque tende a somatizar mais os problemas. Por consequência, além de apresentar aumento nos distúrbios gastrintestinais e doenças do coração, também apresenta mais casos de bruxismo e outras disfunções temporomandibulares. Imagine se uma pessoa passasse o dia inteiro na academia, fazendo exercícios com o braço. Em pouco tempo teria dificuldade até mesmo para segurar um lápis. O mesmo acontece com quem passa dia e noite forçando a musculatura dos maxilares. Logo a dor se torna insuportável e a impressão que se tem é de que tudo dói.

A especialista diz que, em determinados casos de bruxismo, uma abordagem multidisciplinar se faz necessária, com acompanhamento psicológico e até mesmo reeducação postural – tudo para que o paciente durma sem apertar ou ranger os dentes, agindo no controle das forças musculares exercidas em todo o sistema articular. “O importante é melhorar a qualidade do atendimento ao paciente, buscando alternativas eficientes para resolver seus problemas de base. Quase sempre há um componente psicológico que não podemos desprezar”.

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *