Cuidados com a pele oleosa

limpeza_pele_profunda-caseira

Cerca de 70% da população brasileira sofre com o excesso de oleosidade presente na pele. Segundo Karoline Pellacani, farmacêutica especialista em cosmetologia da ADCOS, antes de iniciar qualquer tratamento, é essencial entender o que é, de fato, a pele oleosa. “O excesso de oleosidade é decorrente de um grande estímulo das glândulas sebáceas, resultando em uma produção exacerbada de sebo (óleo). Os motivos mais comuns encontrados para explicar a causa são os hormônios e a pré-disposição genética. A alteração também pode ser reflexo de algum tratamento com produtos inadequados”, explica.

A pele oleosa apresenta características muito peculiares. Ela sofre com o excesso de brilho, é mais espessa, possui relevo irregular e poros dilatados. “Os poros apresentam-se mais dilatados na tentativa de eliminar o sebo para a superfície”, esclarece a farmacêutica. “A região mais afetada é a chamada zona T (testa, nariz e queixo). No entanto, as pessoas também podem apresentar oleosidade no colo e nas costas”.

A exposição ao sol e o calor excessivo também estimulam a atividade das glândulas sudoríparas e sebáceas, aumentando a produção de sebo e suor. Por isso, é tão comum ficar com a pele oleosa depois das férias de verão. Os produtos para uso diário, como sabonetes, tônicos, hidratantes e filtro solar, devem ser adaptados a esse tipo de pele e não comedogênicos, ou seja, não devem obstruir os poros, pois isso pode levar ao aparecimento de acne e comedões (cravos fechados).

O uso diário de produtos específicos equilibra a produção de óleo, desobstrui, reduz visivelmente o tamanho dos poros e melhora a textura da pele, deixando-a progressivamente mais bonita e saudável. Basta seguir os três passos básicos propostos: utilização do sabonete, aplicação do tônico e uso do hidratante facial com fator de proteção solar. Esfoliar a pele duas vezes por semana também ajuda no controle da oleosidade e na desobstrução dos poros, além de melhorar o relevo cutâneo.

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *