Categoria: Pele

Usando os três passos da Clinique – Pele mista

Há tempos procurava um creme que se adaptasse à minha pele. Meu problema é: se o creme é muito hidratante fico com espinhas, se é muito fraco fico com a pele ressecada. Resolvi testar o creme da Clinique e, de quebra, experimentei os três passos da marca. Escolhi o número 2, destinado para peles mistas.

Gravei uma resenha dando vários detalhes sobre os produtos: o sabonete, o tônico e o creme. Já estou no segundo frasco de cada um deles, no creme no terceiro. Eu sei que o preço não é o mais animador, mas o resultado compensa. Não dá para brincar com a pele, muito menos a do rosto. Por isso, prefiro gastar um pouco mais no produto certo do que ficar testando e comprando mil itens que nunca se adaptam bem ao meu tipo de pele.

Comprei meu kit na Sephora, durante minha viagem para a Itália, mas você pode comprar também no site da Clinique (aqui). O sabonete custa R$ 59,00 (150ml), o tônico sai por R$75,00 (200ml) ou R$125,00 (400ml) e o creme custa R$95,00 (50ml) e R$169,00 (125ml).

Clica no play para saber mais detalhes sobre os três passos da Clinique.

Como cuidar da tatuagem

P8-tatuagem cópiaA arte de cobrir o corpo com desenhos já era tradição há milhares de anos antes de Cristo. Ao longo da história, a prática chegou a ser marginalizada e até proibida pela Igreja, mas nem isso fez com que desaparecesse. Pelo contrário, tatuar-se virou uma das grandes tendências do Século 21. A técnica evoluiu e os materiais também. Hoje, há inclusive pigmentos biodegradáveis que facilitam a remoção. No entanto, independente do tamanho, do estilo ou do significado da sua tattoo, há algo que nunca vai mudar: a necessidade de cuidar muito bem dela.

Conforme a dermatologista consultora da Netfarma, Flávia Martelli, é recomendado ter atenção em dobro no primeiro mês após o procedimento. “É preciso tratar com cuidado. Limpar corretamente e tomar todas as precauções para que a pele cicatrize sem problemas. Se a pessoa não se preocupar com isso, pode desenvolver uma infecção e, em alguns casos, ver o resultado do investimento comprometido”, alerta a especialista.

Primeiro, procure fazer a tatuagem em um estúdio que siga as regras de assepsia e segurança. “As normas variam muito entre estados e países. Cabe à pessoa pesquisar um pouco na internet sobre o assunto e verificar o bom senso do estúdio em acatar as regras”, afirma o tatuador profissional, Victor Rocha.

Higiene pessoal também é imprescindível. No dia seguinte ao procedimento, já deve lavar delicadamente a região da pele onde foi feita a tatuagem para evitar infecções. “Lave diariamente o local com sabonete antisséptico e neutro. Evite os tipos perfumados ou abrasivos, que podem irritar”, orienta a dermatologista.

Se for necessário mais de uma sessão para concluir a tatuagem, deve-se respeitar um intervalo para que a região tatuada se recupere e esteja pronta para receber uma nova interferência. “Estima-se que o tempo de cicatrização dura de 30 a 45 dias, mas isso muda muito, conforme a dimensão e técnica usada para cada tatuagem. Cabe ao tatuador estudar bem a pele e a capacidade de cada cliente de se recuperar, para administrar esses intervalos” explica Rocha.

Pomadas com efeito cicatrizante são ideais e devem ser aplicadas de 2 a 3 vezes ao dia, pelo menos até as crostas que se formam na pele caírem. Também é importante lembrar que o plástico filme, utilizado para proteger a região, deve ser trocado a cada higienização, para evitar o surgimento de bactérias.

O sol pode comprometer o processo de cicatrização e até interferir na fixação dos pigmentos na pele. Segundo a dermatologista, o melhor é proteger a tatuagem com uma roupa que cubra a região ou com protetor solar. Também é altamente aconselhável evitar banhos de piscina e de mar no primeiro mês.

Alimentos gordurosos, condimentos e conservantes devem ser reduzidos na sua dieta pós-tatuagem. Tente tirar do cardápio: frutos do mar, carne de porco, pimenta e chocolates, por exemplo. “A cicatrização deve levar cerca de um mês e esse período requer uma alimentação equilibrada, além da ingestão de bastante água. A boa alimentação fortalece o sistema imunológico, o que reduz as chances de infecções”, completa.

P8-boxDurante a cicatrização, escolha roupas leves e tecidos que não causem atrito com a região tatuada. Coçar ou tirar crostas que venham a se formar na pele também são proibidos, hein? A dica da especialista, nesse caso, é: “se a área ficar irritada e vermelha, procure um médico especialista para que não desenvolva uma alergia ou uma inflamação mais grave”.

Uma vez que sua tatuagem está cicatrizada, é fácil mantê-la sempre bonita. O segredo é hidratar sempre e não esquecer do protetor solar quando sair ao ar livre. Quanto mais hidratada, mais translúcida essa camada da pele será, fazendo com que a tinta fique mais visível. A alta pigmentação dessas camadas externas também dificulta a visualização da tinta, por isso, o sol é o grande inimigo, além de fazer muito mal. “Se a pessoa tem uma tatuagem de longa data que acha muito apagada, se ela voltar a cuidar bem, em questão de semanas a tatuagem pode ganhar um pouco de vida novamente, mas isso varia de pessoa pra pessoa. A vida que se leva dita o quanto a sua tatuagem será bela”, conclui o tatuador.

ESCALA DE DOR
Muito pouca dor: Ombros e antebraços
Pouca dor: Pulsos, coxas, panturrilhas e tornozelos
Dor moderada: Pescoço, testa, bíceps e baixo-ventre
Muita dor: Tórax, cotovelos, joelhos, barriga e canela
Dor extrema: Diafragma, costelas e peito dos pés

O lado escuro do sol

P8-sol

O uso do protetor solar é uma arma indispensável para prevenir o câncer de pele, mas mesmo assim, é preciso tomar cuidado quanto à exposição solar. Uma pesquisa realizada em conjunto com os cientistas brasileiros Camila Mano e Etelvino Bechara da Universidade de São Paulo, e publicada na revista Science, mostra que a radiação solar ainda age no organismo até três horas depois da exposição ao sol.

Além de respeitar o horário de se expor ao sol e usar um filtro solar adequado, há mais uma forma de se proteger dos efeitos prolongados da radiação solar, aplicar um antioxidante. Estudos publicados no “Journal of Investigative Dermatology”, um dos mais importantes jornais científicos, revelaram que a vitamina C pura fica armazenada na pele por mais de 24 horas e a associação desse ativo com ácido ferúlico e vitamina E é capaz de duplicar a fotoproteção da pele.

Os filtros solares são projetados para serem escudos para a pele, protegendo-a da absorção de radiação UV danosa. Uma vez que trabalham na superfície da pele, eles são facilmente removidos por lavagem ou fricção. Antioxidantes, por outro lado, são concebidos para funcionar não só na superfície da pele, mas também no interior dela. Já que funcionam por mecanismos diferentes, os mesmos devem ser complementares.

“É importante distinguir que cada um tem sua função, os fotoprotetores formam uma barreira que bloqueia a penetração da radiação UV, porém atuam somente a nível superficial. Já os antioxidantes conseguem penetrar nas camadas mais profundas da pele agindo internamente reforçando e potencializando a fotoproteção da pele”, explica Miriam Szrajbman, responsável pela comunicação científica da SkinCeuticals.

Além disso, os filtros solares na concentração usual conseguem bloquear somente em 55% a formação de radicais livres, outro motivo para fazer o uso do antioxidante. O ideal é fazer a associação dos dois produtos, o modo correto de uso é primeiro limpar a pele, aplicar o antioxidante e depois o filtro solar.

Cuidados com a pele durante atividades físicas

peleProteger a pele precisa ser um hábito diário e para quem pratica atividade física esse cuidado deve ser redobrado. A dermatologista Annia Cordeiro Lourenço alerta que durante a atividade física ao ar livre, como a corrida, por exemplo, a exposição aos raios solares é maior e a proteção precisa ser intensificada. “Os raios solares estimulam o organismo a produzir enzimas destruidoras de colágeno , acelerando o envelhecimento. Além disso, eles alteram o DNA da célula, o que pode causar o câncer de pele”, explica.

Na hora de escolher o protetor para a prática esportiva a indicação é optar pelos com fator de proteção mais alto, como 50 e 60, e que sejam à prova de água. Durante os treinos, a exposição solar e transpiração são maiores, por isso, é importante observar as opções no mercado que ofereçam alta proteção à prova de água, principalmente porque não haverá reaplicação durante a atividade.

Como a composição dos filtros solares varia muito e, com isso, sua eficácia, a escolha do protetor deve ser feita com a ajuda de um dermatologista que irá avaliar o tipo de pele e prescrever a melhor opção. “Pessoas com pele oleosa devem optar pelas versões em gel, gel-creme ou fluidos, enquanto as peles mais secas e com sinais do tempo, os cremes”, destaca a dermatologista.

O protetor solar – mesmo em dias nublados – deve ser reaplicado a cada duas horas e em todas as partes do corpo, inclusive as orelhas. Além disso, também é aconselhável o uso de boné e roupas leves, mas com mangas longas que protegem mais o corpo da exposição solar. Alguns tecidos já possuem proteção contra raios ultravioleta e são usados em camisetas e bonés, o que aumenta a proteção contra os efeitos nocivos do sol.

A alimentação e o consumo de água também têm papel importante no desempenho dos esportistas e na proteção da pele. “Alimentos com substâncias antioxidantes (como frutas cítricas, azeite de oliva, linhaça e aveia) ajudam a manter a pele saudável, pois o estresse oxidativo desencadeado pelos treinos e exposição ao sol leva ao envelhecimento. Beber muita água e adotar uma alimentação saudável também são fundamentais nesse processo”, finaliza Annia.